Agende sua consulta

Busque o profissional de saúde mais perto de você

Cadastre-se

Portal do Médico

Faça login

Prevenção dos efeitos da exposição solar em crianças [Especial de Carnaval]

21/02/2020
09:13

O Carnaval está chegando e, com ele, há uma maior exposição ao sol, o que pode ocasionar sérias consequências à saúde de crianças, como insolação, queimaduras, envelhecimento precoce e câncer de pele – crianças são mais suscetíveis aos efeitos danosos da radiação ultravioleta (UV), que se manifestam mais tardiamente na fase adulta1,2,3. Dessa forma, os cuidados em relação aos efeitos do sol e do calor excessivo devem ser redobrados.

Insolação

Após exposição excessiva ao sol, pode ocorrer insolação. É caracterizada pela presença de temperatura axilar elevada (igual ou superior a 39,5°C), na ausência de febre. A insolação pode ocorrer não apenas devido à exposição solar, mas também quando a criança não está devidamente protegida com o uso de filtro solar ou quando ela se encontra em um ambiente muito quente, sem o uso de roupas apropriadas e com baixa ingestão de líquidos e de alimentos3,4.


As manifestações clínicas de insolação incluem irritabilidade, pele muito irritada pelo suor no pescoço e axilas, câimbras musculares, sensação de esgotamento físico, náuseas, vômitos, cefaleia, perda de consciência e desidratação3,4.


Diante de um quadro de insolação, é recomendado que a criança tome banho fresco e seja mantida hidratada em um ambiente arejado. Lactentes devem ser encorajados a sugar o seio materno e devem ficar sem roupa. Nesta situação, o uso de medicamentos antitérmicos não surte qualquer benefício. Em caso de apatia, a criança deve ser levada à Emergência3,4.


Os parâmetros clínicos para avaliação do grau de desidratação estão dispostos no Quadro 1.


Quadro 1: Parâmetros clínicos para avaliação do grau de desidratação em crianças.

ParâmetrosDesidratação leveDesidratação moderadaDesidratação grave
Estado geralBomIrritabilidadeProstração, agitação, torpor, coma
SedePouca ou normalAumentadaIntensa
MucosasLevemente secas ou úmidasSecasMuito secas
PeleTurgor e elasticidade normaisTurgor pastoso e elasticidade reduzidaPele fria, palidez, turgor e elasticidade muito reduzidos
OlhosLacrimejamento reduzidoChoro sem lágrimas, enoftalmiaEnoftalmia acentuada
FontanelaNormalDeprimidaMuito deprimida
PulsosCheios e com ritmoFinos e rápidosMuito finos, quase imperceptíveis
Frequência cardíacaNormalAumentadaMuito aumentada. Em casos muito graves, pode estar reduzida.
Enchimento capilarAté 3 segundos3 a 5 segundos>5 segundos
DiureseNormalReduzida, urina concentradaOligúria
RespiraçãoNormalAumentadaHiperpneia
Plano terapêuticoABC
Fonte: adaptado de Mattar & Mourão, 2017.

Os planos terapêuticos para desidratação aguda em crianças estão resumidos no Quadro 2.

Quadro 2: Planos terapêuticos para desidratação aguda em crianças.

PlanoConduta
AAumentar a oferta de líquidos (água e sucos).Evitar refrigerantes, sucos artificiais e soro de hidratação para atletas.Corrigir erros dietéticos.Oferecer SRO de acordo com a aceitação do paciente, após cada episódio de vômito (ou diarreia).
BFase de reparaçãoPesar a criança.Avaliação do paciente a cada hora, observando sinais de desidratação, aumento do peso e diurese.SRO de acordo com a sede e a aceitação da criança, usando copo, colher ou mamadeira.Ambiente específico ou sala de HO.A criança deve ser hidratada em seis horas – se não houver melhora em três horas, dificilmente haverá melhora no tempo estabelecido.SRO por sonda nasogástrica: 15 a 30 mL/kg/h, se houver tolerância, ou HV.O uso da SRO pode induzir à êmese – portanto, vômitos não limitam o uso da HO.Antieméticos podem ser usados em dose única, em situações especiais, evitando HV.Após hidratação, a criança deve receber solução de hidratação e dieta habitual.O aleitamento materno não deve ser interrompido em nenhum momento.
Plano CEm situações em que a via oral está contraindicada: alteração do nível de consciência, íleo paralítico, desidratação grave, choque.Reparação ou expansão rápida da volemia: previamente, devem ser colhidos glicemia capilar, sódio, potássio e gasometria venosa. O paciente é considerado hidratado quando há duas micções claras e ausência de sinais clínicos de desidratação. Em pacientes com desidratação grave, deve ser administrada solução salina isotônica em bolus a 20 mL/kg, repetindo-se até que a perfusão esteja restaurada. Pacientes que necessitam de volumes superiores a 40 a 60 mL/kg devem ser avaliados para sinais de disfunção miocárdica e necessidade do uso de medicamentos vasoativos.Manutenção da volemia: cálculo do volume através da regra de Holliday-Seggar.Peso calórico

  • Até 10 kg: 100kcal x peso em kg;
  • 10 a 20 kg: 1000kcal + 50 x (peso-10);
  • >20kg: 1500kcal +20 x (peso -20).

Necessidades para cada 100kcal/dia:

  • Água: 100mL;
  • Sódio: 3,0 mEq;
  • Potássio: 2,5 mEq;
  • Glicose: 8g.

No entanto, existem diversos trabalhos a respeito do risco elevado de hiponatremia com o uso de soluções hipotônicas. Mais informações podem ser acessadas no link: https://pebmed.com.br/diretriz-de-pratica-clinica-para-hidratacao-venosa-em-criancas/

Legenda: HO – hidratação oral; HV – hidratação venosa; SRO – Soro de reidratação oral.

Fonte: adaptado de Mattar & Mourão, 2017.

Queimaduras
As queimaduras podem ser classificadas da seguinte forma:

1° grau: limitadas ao epitélio. São observados eritema, calor e dor, mas sem bolhas. Não ocasionam agressão fisiológica;
2°grau: ocorre destruição da pele e de parte da epiderme. Os anexos cutâneos não são acometidos. Ocorre formação de bolhas. Podem ser subdivididas em: espessura parcial superficial ou profunda. As superficiais apresentam proteção a infecções e sua cicatrização ocorre em até 3 semanas;
3° grau: há destruição de toda a derme, englobando os folículos pilosos e as terminações nervosas, sendo indolores. A resolução acontece por crescimento do epitélio a partir de margens da ferida ou por enxerto de pele;
4°grau: são associadas a queimaduras elétricas de alta voltagem. Neste tipo de queimadura, ocorre extensão para a gordura subcutânea, fáscia muscular, músculo ou osso7.
As queimaduras solares em crianças geralmente são de 1° e de 2° graus. Raramente há queimaduras solares de 3° grau em crianças maiores, mas pode ocorrer em lactentes. Quando a extensão da lesão é avaliada, devem ser consideradas as queimaduras de 2° e de 3° graus7.

A hospitalização de crianças com queimaduras ocasionadas pela exposição ao sol é recomendada nas seguintes situações7:

• Presença de queimaduras de 2° grau em mais de 10% da superfície corpórea;
• Presença de queimaduras de 2° ou 3° graus em face, genitália e períneo;
• Presença de queimadura de 3° grau em mais de 5% da superfície corpórea;
• Carência de condições de tratamento domiciliar;
• Crianças com doenças crônicas de base ou lactentes jovens7.

O pediatra deve orientar os pais para que tomem as seguintes medidas, antes de procurar atendimento médico:

Retirar a roupa que cobre a área queimada. Caso a roupa esteja grudada na área queimada, deve-se lavar a região até que o tecido possa ser retirado delicadamente sem que aumente a lesão. Caso a roupa continue aderida à pele, deve ser cortada ao redor do ferimento;
Adereços devem ser removidos, pois o edema se desenvolve rapidamente;
A área queimada deve ser colocada debaixo de água fria (e não gelada). O resfriamento com água fria alivia a dor, limpa a lesão, impede o aprofundamento das queimaduras e reduz o edema;
Compressas limpas e frias devem ser colocadas sobre a queimadura até que a dor desapareça. Não usar gelo;
Não utilizar compressas úmidas por longo tempo em queimaduras extensas, pelo risco de hipotermia;
A criança deve ser envolta com lençol limpo, agasalhos, e encaminhada para atendimento médico;
Não furar as bolhas;
Não passar nada na lesão: pomadas, produtos caseiros, como clara de ovo, banha de galinha, pasta de dente, pó de café e pimenta, por exemplo, porque não trazem nenhum benefício e ainda podem favorecer a ocorrência de complicações infecciosas;
Analgésicos podem ser administrados;
Hidratação oral com água e sucos para crianças conscientes e colaborativas com pequenas áreas queimadas. Aleitamento materno em lactentes conscientes;
Reposição de líquidos e eletrólitos por via venosa em queimaduras extensas7.
Prevenção
Por ser o principal educador de bons hábitos de saúde, higiene e proteção durante a infância, é obrigação do pediatra orientar os responsáveis para que medidas de prevenção destas complicações sejam rigorosamente tomadas1:

  1. Respeitar os horários de exposição solar1,2.
• Evitar a exposição solar, principalmente nos horários em que os raios solares são mais intensos, com predomínio de radiação UVB (entre 10h e 16h)1,2;
• Uso de óculos de sol, roupas e acessórios com proteção UV1,2. O uso apenas de sombrinhas ou de guarda sol não protege, porque a radiação pode atingir a pele através da reflexão dos raios na areia e no cimento1;
• Uso de filtro solar e protetor labial com fator de proteção solar (FPS) 15 ou mais, em especial quando a exposição solar é inevitável. O uso do filtro solar é indispensável a partir dos seis meses e deve ser apropriado para a pele da criança. A aplicação do filtro deve ser correta (no mínimo 30 minutos antes da exposição ao sol), pois o real fator de proteção varia com a espessura da camada de creme aplicada, com a frequência da aplicação, com a transpiração e com a exposição à água. Deve-se repetir a aplicação a cada duas horas e quando a criança fica muito tempo imersa na água do mar ou da piscina1,2.
Hidratação adequada, com a ingestão de água e sucos naturais, redobrando a atenção em relação à procedência destes líquidos1;
Oferecer sempre o seio materno aos lactentes que estejam com nível de consciência preservado3;
Consumo de alimentos leves, como legumes, frutas e verduras1;
Uso de roupas finas e claras3;
Maior frequência de banhos3;
Atividades leves3;
Permanecer em locais frescos e ventilados3;
Evitar permanecer muito tempo no interior de automóveis3.
Todo cuidado é pouco, mas seguindo as recomendações corretas, o pediatra e os pais ficam mais tranquilos e as crianças podem se divertir de forma saudável no Carnaval, protegendo-se dos efeitos da exposição solar excessiva.


Fonte: https://pebmed.com.br/prevencao-dos-efeitos-da-exposicao-solar-em-criancas-especial-de-carnaval/

+ Notícias


08/04/2020 08:08

Coronavírus: como o Sars-Cov-2 ataca os pulmões e como o corpo humano derrota o vírus

  • 07/04/2020 08:52

    Covid-19: Ministério da Saúde estima que maioria dos brasileiros será exposta ao vírus nos próximos três meses

  • 02/04/2020 16:01

    Ministério da Saúde cadastra médicos veterinários e mais 13 categorias para combater coronavírus

  • 01/04/2020 14:00

    Coronavírus: Pacientes com sintomas muito brandos liberam vírus em grande quantidade

  • 31/03/2020 13:33

    Pacientes tratados com plasma de pessoas já recuperadas da Covid-19 podem apresentar melhoras, aponta estudo

  • 30/03/2020 10:01

    Coronavírus: os 4 pilares para manter a imunidade em dia

  • 27/03/2020 13:49

    'Estamos apavorados': o drama de médicos na linha de frente do atendimento ao coronavírus no Brasil


Carregando